segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Felicitura e Leituricidade


Da mesma forma que Borges criou o misterioso Livro de Areia, em que:

O número de páginas deste livro é exatamente infinito. Nenhuma é a primeira; nenhuma, a última.” (BORGES, 1999; p. 102), 

sem ordem, sem sequência, possibilitando inúmeras perspectivas de leitura, atrevi-me a criar duas palavras, as quais penso representarem essa mesma dimensão inexplicável, mas que entendemos como algo pleno, bom de se viver.

Felicitura e Leituricidade acabam de ser criadas, a partir da máxima do autor "Creio que uma forma de felicidade é a leitura", portanto, ao lermos, estamos em estado de felicitura e leituricidade.

Desejo a todos um ano de muita felicitura e leituricidade!




BORGES, Jorge Luis. O livro de areia. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

Nenhum comentário:

Postar um comentário