domingo, 10 de junho de 2018

E agora, quem vai publicar os quadrinhos Disney?

Quem cresceu lendo quadrinhos Disney como eu, com certeza, nesse momento, já está sentindo saudades, mesmo que já tenha deixado de ser leitor dessas "revistinhas", eram assim que chamávamos, quando criança.

Pato Donald foi o primeiro a ser lançado pelo Editor Victor Civita, em 1950. Aquele pato meio aborrecido e estressado, porque, na maioria das vezes, sai enganado ou entra em alguma esparrela, não por sua vontade, mas em função de algumas encrencas armadas pelos seus amigos de HQ's, terá, em julho, o último número. É a despedida do pato mais famoso do mundo, aqui no Brasil.


É que a Editora Abril, anunciou para seus assinantes que, "após revisão estratégica do Grupo Abril, a partir de junho de 2018 os quadrinhos Disney não serão mais publicados por nós". 

E quais outros personagens desse mundo maravilhoso também vão fazer falta? Com certeza, o Tio Patinhas, com seu banho tradicional na piscina de moedas de ouro; o Zé Carioca com suas malandragens, características de quem sempre quer se dar bem; o Mickey com o seu excesso de sensatez e conformidades, sempre ao lado do companheiro Pluto; Pateta,  com suas patetices; o Gastão, com a sua sorte fenomenal, que mexe com os nervos do primo Donald; o Peninha, com suas atrapalhadas e confusões.

  
  
   

Sem falar na ala feminina, que não fica atrás: Vovó Donald, Margarida, Minnie, Rosinha, Maga Patológica, Madame Mim, Clarabela, cuja leitura é de mulheres empoderadas, com personalidades bem fortes.


É que a tal "revisão estratégica" também chegou no Grupo Abril, afinal, qual empresa não precisou se adaptar ao contexto de crise da atualidade?

Foram 68 anos de parceria entre as duas empresas, Disney e Abril. Será que teremos outra editora para assumir a publicação das revistas Disney? Vamos torcer que sim, afinal, Disney é patrimônio da criançada e crescer sem essas leituras é deixar de conhecer um universo lúdico e peculiar, que encantou milhares e milhões com suas histórias fabulosas.

sábado, 9 de junho de 2018

Gestão disso, gestão daquilo, por que não a Gestão Documental?

Gestão de recursos humanos, gestão financeira, gestão de recursos materiais, gestão de recursos tecnológicos, gestão disso, gestão daquilo, são tantas as necessidades de gestão! 

Todas bem faladas, bem tratadas, bem discutidas no contexto empresarial, mas, e a gestão documental? 

São poucas aquelas empresas que se preocupam com ela, apesar de ser fundamental para a tomada de decisão, solução de problemas informacionais e fechamento de negócios. Esquecida ou relegada a uma plano inferior, por muitas vezes, só é considerada quando o caos documental está instaurado, levando a prejuízos incalculáveis e irreparáveis.


Antes que isso aconteça, nesse Dia Internacional dos Arquivos, tomamos a gestão documental para evidenciá-la como condição sine qua non, para que os arquivos possam cumprir seu papel, servindo à administração e à história, nas esferas social, política e econômica, disponibilizando o documento e a informação arquivística a quem deles necessitem. 

A gestão documental evita o acúmulo desordenado de documentos, proporciona o controle, a padronização e o acesso aos documentos. Mas, qual o caminho a ser tomado para se ter a gestão documental? 

O caminho é um tanto longo, mas não impossível de ser percorrido, para execução de cada etapa e conquista de resultados positivos. 

A princípio, podemos iniciar com a definição, conforme Art. 3º, da Lei 8.159/1991: 
Art. 3º - Considera-se gestão de documentos o conjunto de procedimentos e operações técnicas referentes à sua produção, tramitação, uso, avaliação e arquivamento em fase corrente e intermediária, visando a sua eliminação ou recolhimento para guarda permanente.
Depois, nos conscientizando da necessidade de constituição da Comissão Permanente de Avaliação de Documentos, conforme Art. 18, da Lei 8.159/1991, que apesar de estabelecer literalmente para os órgãos da Administração Pública Federal, recomenda, indiretamente, o mesmo para os arquivos privados: 
Art. 18. Em cada órgão e entidade da Administração Pública Federal será constituída comissão permanente de avaliação de documentos, que terá a responsabilidade de orientar e realizar o processo de análise, avaliação e seleção da documentação produzida e acumulada no seu âmbito de atuação, tendo em vista a identificação dos documentos para guarda permanente e a eliminação dos destituídos de valor. 
Mais adiante, entramos no mister da questão, para tanto, resumimos algumas indagações necessárias de serem discutidas e articuladas durante esse processo:
  • Que espécie de documento é esse? 
  • Qual é a sua tipologia? 
  • Qual é a sua finalidade? 
  • A qual atividades/área ele pertence. Quem o produziu?
  • Quantos volumes/metros lineares são produzidos desse documento por um determinado tempo?
  • Quantas vias tem esse documento? 
  • O documento é físico ou eletrônico? 
  • Quais os elementos que o identificam de forma objetiva (indexação)? 
  • Quanto tempo de guarda (temporalidade) é necessário no arquivo corrente? 
  • Quanto tempo de guarda (temporalidade) é necessário no arquivo intermediário?
  • Qual é a sua destinação depois desses prazos? 
  • Qual o nível e incidência de acesso a esse documento?
  • Qual o valor que se reveste esse documento?

Concluída essa etapa, é possível termos uma visão geral e detalhada sobre a documentação gerada/recebida por cada unidade produtora, para seguirmos adiante com outras questões da esfera arquivística.

Gestão documental, a única saída para o sucesso empresarial!

quinta-feira, 31 de maio de 2018

Encantamento e leitura

O que fazer com uma criança que visita uma Biblioteca de faculdade e se encanta com as capas dos livros destinados a esse público?

O menino sai percorrendo os corredores em busca de algo atrativo, que agrade seu interesse. 

Dentre os milhares de volumes, pega um livro de redes de computadores, aquele do Tanembaum, cheio de imagens, cores, movimento, tudo nele chama a sua atenção.

Corre e, mais adiante, encontra um exemplar com um cão na capa, o Marley.

Em outro momento, observa um emaranhado de engrenagens, são os instrumentos das organizações automatizadas.

E continua, sempre  querendo mais e tecendo comentários sobre cada um. O deslumbre é total. Nunca viu tantos livros juntos! 

É a leitura não convencional, uma leitura imagética, que, nesse caso, antecede a leitura no sentido literal da palavra. O garoto está ainda iniciando nessa leitura, mas já lê do seu jeito e tem suas preferências.

E agora pergunto de novo? O que fazer com essa criança diante desse contexto cativante? Dai-lhe livros!

E foi o que aconteceu, ele escolheu dois livros infantis do Projeto Livro leve e solto, para se deliciar com a leitura.

Ele já é um leitor iniciante e será com certeza um grande leitor, praticante de muitas leituras.

E a leitura que faço é: Ah! Se todos tivessem essa oportunidade!...

Aconteceu na Faculdade CDL.

sábado, 26 de maio de 2018

Leiturinha: dele, dela e minha!

Porque leitura na infância é tudo de bom! É viagem, é brincadeira, é aprendizagem verdadeira.





Os livros infantis ideais para seu pequeno, todo mês na sua casa.

Faça parte do maior clube do livro infantil e proporcione momentos de aprendizado e diversão em família!


 leiturinha

domingo, 20 de maio de 2018

Leituras de toda sorte

A crise econômica fez a Biblioteca Parque Estadual no Rio de Janeiro ficar fechada por quase um ano e meio. Reaberta no último dia 17, trazendo o evento da segunda edição do Salão Carioca do Livro (LER), fez a alegria de todos. 

O equipamento tem a proposta de integrar cultura e comunidade, oferecendo, é óbvio, leitura e mais leituras.

Leituras de toda sorte, voando e passando para quem quiser pegar. É essa a ideia que passa dos livros sobrevoando o espaço, abertos, prontos para serem absorvidos por leitores devoradores.

O fato foi notícia nas mídias televisivas e eu registrei.




sexta-feira, 18 de maio de 2018

Real Gabinete Português de Leitura, requinte, tradição e erudição

Vale muito a pena limpar a vista com esse cenário! 

O Real Gabinete Português de Leitura completou 181 anos e reúne mais de 350 mil volumes. É a quarta biblioteca mais bonita do mundo.

Matéria completa do R7. Acesse!

O Rio de Janeiro continua lindo: Real Gabinete Português de Leitura mistura literatura e tradição.








domingo, 13 de maio de 2018

São muitas as mães!

Eva, Mãe da luz!
Santana, Mãe de Maria!
Maria, Mãe de Jesus!

Vida, mãe do ser!
Terra, Mãe do lar!
Biblioteca, Mãe do saber!

Vozinha, Mãe da mãe!
Mãezinha, minha Mãe!
Eu também Mãe!

É Divino, é terrestre,
É leitura, é contexto,
É silvestre, é de mestre.

AnaLu

domingo, 6 de maio de 2018

Chegou em Fortaleza A Incrível Máquina de Livros!


Uma ideia e tanto que chega a Fortaleza! A Incrível Máquina de Livros! Parabéns para a iniciativa, parceria da Infinito Cultural com a Câmara Brasileira do Livro - CBL, promovendo a leitura e a cultura pelo Brasil.


A máquina funciona da seguinte forma: o leitor insere uma obra, aperta um botão, fazendo a escolha entre um livro adulto ou infantil, e aguarda a resposta do equipamento, que faz a entrega logo em seguida, realizando o “processo mágico”.

Inovação, socialização, integração, inclusão, motivação, participação, haja ação!

Depois de Fortaleza, ela vai seguindo seu caminho rumo à próxima parada...


domingo, 29 de abril de 2018

sábado, 28 de abril de 2018

Compartilhando conhecimentos V: tipos de contratos

Conhecer melhor os produtos e serviços para melhor atender ao cliente. Mais uma meta cumprida dentro do Sistema de Gestão da Qualidade Mrh Arquivos.




terça-feira, 24 de abril de 2018

Mudança para melhor, já quero!

Mudança, quem não tem medo dela? Sempre temos resistência à mudança. Receio de não dar certo, de ser um fracasso, de criar expectativa demais, de ser criticado, dentre outros temores. Mas, a mudança quando pensada, está sempre buscando o melhor, e só vamos saber o resultado se ela for implementada.


É óbvio que antes deve ser feito um planejamento das ações, verificando os recursos e os instrumentos necessários, quais as pessoas estarão envolvidas durante o processo e, sobretudo, deve-se ter o apoio da instituição. Uma vez planejada, aplicada, checada e reparadas as arestas, tem tudo para dar certo.

Muitas vezes fazemos a coisa do mesmo jeito que vem sendo feito há tempos, não pensamos em mudar o status quo, exatamente porque temos medo do novo, do desconhecido. Isso ocorre na vida como um todo, na esfera pessoal, profissional, em sociedade.

Fizemos essa introdução porque a nossa proposta é convidá-los a fazer algo para mudar o nosso fazer bibliotecário, buscando essa melhoria de produto e serviço para a sociedade, conforme o contexto de cada um. Há tantas oportunidades! O próprio usuário é um indicador delas. Sabendo fazer a leitura de suas demandas, de seus anseios, podemos ir além delas, conquistando esse espaço que nos falta, se apropriando do projeto e fazendo acontecer.

Estamos tentando mudar todo dia para oferecer algo mais atrativo e compensador. Vem coisa diferente pela frente!

E você, já pensou por onde começar?

Mudança para melhor, já quero!


Publicado originalmente em Mural Interativo do Bibliotecário

Chamada para a série #IssoMudaAsBibliotecas

sábado, 21 de abril de 2018

Mais sobre criatividade

"Criatividade é a inteligência se divertindo"
Albert Einstein


E como não seria, meu caro? Se quando estamos nesse estado de criação estamos indo de um lado para outro, subindo e descendo, buscando o que está escondido, correndo atrás daquela ideia absurda, resgatando coisas vividas e conhecidas, para transformá-las em novidades...


Criatividade é de fato o pensamento e a inteligência trabalhando a partir do que não é óbvio, do deslocamento daquilo que já deu certo, da saída do velho quadrado. Criatividade é movimento e movimento é diversão.

Vamos criar!

domingo, 15 de abril de 2018

Os livros estão sempre por trás III

Cada vez fica mais óbvio e indiscutível a questão da presença dos livros na vida intelectual das pessoas, principalmente do livro em seu formato tradicional. As pessoas compram, leem, cuidam e cultuam suas preciosidades.

Registro mais tomadas de "Os livros estão sempre por trás", que me dediquei a colecionar, a partir desse novo olhar que despertou em mim.

Henry Olsen
Centro de Políticas Públicas e Ética


Paulo Roberto Pires, jornalista e professor da Escola de Comunicação da UFRJ.


Roberto Carvalho Veloso, magistrado brasileiro, atual presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe).



Alexandre Garcia, jornalista, apresentador e colunista político brasileiro.

Edson Fachin, jurista e magistrado brasileiro, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), atual relator da Operação Lava.

Jayme de Oliveira, Juiz titular da 13ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo,presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB)




Richard Ducote

Advogado em Pittsburgh, Pensilvânia

quarta-feira, 11 de abril de 2018

Bolaria de peso

Hoje, visitei a Bolaria. Já era tempo! A minha amiga Annita Moura já tinha  me recomendado. Sei que a proprietária é bibliotecária. Qualquer dia desses bato um papo com ela.

Bolos deliciosos, caprichados, de primeiríssima! Embalados com carinho e criatividade. Provados e aprovados. E o que mais se pode encontrar em uma bolaria?

Ah! Livros! Ou melhor, livros livres, que podem ir aonde quiserem ir, basta que os levem... É a filosofia do compartilhamento, da liberdade e da democracia da leitura, ao invés de reter, libertar.

Para incentivar os clientes a entrarem nessa onda do bem, as palavras de ordem no cantinho dos livros livres são:
  • "Leve-me com você!"
  • "Leia-me!"
  • "Liberte-me novamente!"
E você, o que está esperando para se deliciar com um bolo da Bolaria e, de quebra, levar ou libertar um livro?




"Ler um bom livro e saborear um delicioso bolo", na Bolaria: bolos caseiros, uma bolaria de peso!

Leitura e contexto saborosos.

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Azáfama do saber ou Dia da Biblioteca


Hoje, é comemorado no Brasil o Dia da Biblioteca por conta da data de publicação do Decreto 84.631 (09/04/1980), que instituiu a Semana Nacional do Livro e da Biblioteca e o Dia do Bibliotecário.


Mas, se levarmos em conta a sua essência, temos a certeza que todo dia é dia da biblioteca, porque todo dia é dia de buscar, de ler, entender e conhecer, de criticar, construir e conquistar.

É a azáfama do saber presente na ambiência da biblioteca, seja entre as paredes, seja dentro do ciberespaço e até nas nuvens.

Essa velha senhora, que de tão presente e essencial, é jovem e atual, consegue se adaptar às exigências da atualidade e entender as necessidades de seus usuários.

Uma senhora majestosa pela sua grandiosidade herdada pelas suas ancestrais Nínive, Pérgamo e Alexandria, mas humilde em fazer o bem, porque é servidora, porque oferece muitas opções em vários formatos e condições.

Comemoremos!

Publicado, originalmente em Mural Interativo do Bibliotecário

sábado, 7 de abril de 2018

Mais dia, menos dia, a coisa acontece

A toda ação, corresponde uma reação. E se são muitas ações, teremos mais reações.

E se essas ações são benéficas, teremos reações benéficas, contemplando com o bem os responsáveis por tê-las praticado. Mas se essas ações são maléficas, teremos reações maléficas, que, da mesma forma, se voltam para quem as cometeu.

E se essas ações maléficas prejudicam muitos, o retorno do mal é vindo em progressão, ou seja, ainda maior, em grande escala.

É a tal da lei do retorno, que, independente de estar na mídia, já existe há tempos. Aqui se faz, aqui se paga!. 

Isso vale para a vida pessoal e profissional, para a política e para a sociedade como um todo, para qualquer ideologia, qualquer posição social, etc., etc.



Vamos abrir o olho! O BRASIL É MAIOR do que todo o mal.

quarta-feira, 4 de abril de 2018

Vamos torcer para dar Brasil!

Biblioteca Pública de São Paulo, localizada na Zona Norte da Capital, é finalista que concorre ao Prêmio de Melhor Biblioteca do Mundo, juntamente com outras três unidades européias (Dinamarca, Letônia e Noruega).

O Prêmio é promovido pela Feira do Livro de Londres, em parceria com a Associação de Editores do Reino Unido.

Espaço multitarefas, multifacetado, democrático, acessível a todos, sobretudo, um local de convivência. Uma biblioteca diferente, com direito a todas as benesses para a sociedade, fazendo valer a sua existência, sua natureza e sua essência.

Para aquelas que desejam acertar, é só observar e imitar.

Vamos torcer, pois temos condições de vencer!













Tomadas direto da tela da Globo, em matéria veiculada em 04/04/2018.