sábado, 17 de novembro de 2018

Vamos transformar o linear em circular?

Nada contra a linearidade, ela, por muitas vezes é fundamental, é lógica e, às vezes, a única opção. Há coisas que se iniciam, vão em frente e são concluídas, sem possibilidade de retorno, de conserto. O processo segue e não tem como voltar. 

Já com a circularidade, há sempre a condição de recomeço, ou pelo menos de revisão, de checagem. Em alguns casos é, naturalmente, cíclico. 


Se o contexto é de linearidade, a saída é seguir em frente, mas, é sempre bom fazer uma nova leitura para enxergar a possibilidade de circularidade, o tal círculo virtuoso, que faz a vida, o trabalho e as coisas melhorarem.



terça-feira, 13 de novembro de 2018

Olhando para o seu entorno e seu contexto

Sabemos que temos que seguir os objetivos da instituição a qual a biblioteca está vinculada. Mas sabemos também que temos que ficar atentos às demandas dos nossos usuários e ao contexto do momento.

Qualquer biblioteca, além de proporcionar o acesso à leitura, às fontes de informação organizada, aos recursos informacionais de toda sorte, oferece programação cultural vasta, que pode ir desde a simples contação de histórias, até à exibição de filmes, oficinas literárias, saraus de poesia, encontros de escritores, dentre muitas outras atividades. 

O contexto social pode ser utilizado para fazer nascer atividades diferenciadas, criativas, jamais pensadas. Essa prática já é comum nas bibliotecas escolares e públicas, em que se comemora o Dia do Folclore, o Dia da Poesia, o Dia do Meio Ambiente, etc. Em época de eleições, porque não criar uma eleição para o melhor livro ou autor do acervo? 

Mas podemos ir além do que já é normal, podemos interagir com o que se passa no entorno, lá fora, na localidade, na sociedade de uma forma geral, e trazer tudo isso para dentro da biblioteca. Dessa forma, estaremos exercendo verdadeiramente o caráter sociocultural e democrático da biblioteca, principalmente, em se tratando de biblioteca pública, que tem múltiplas funções e atende a usuários com histórias de vida e necessidades completamente diferentes.


Foi o que aconteceu na Riverside Library, filial da Biblioteca Pública de Nova York, que criou o programa, “Grow Up Work Fashion Library”. Conforme descreve matéria da Época Negócios, de 14/10/2018, “a ideia do programa, chamado de ‘Grow Up Work Fashion Library’, é ajudar jovens adultos que não tem necessariamente condições de adquirir esses acessórios formais. Diz o comunicado: ‘Se você está precisando se vestir para uma entrevista de emprego, casamento, audição, formatura ou outro evento formal, a biblioteca pode ajudar’.

E você, já teve alguma ideia mais arrojada, para aplicar em sua biblioteca, considerando o contexto vivenciado?

No Brasil de hoje, com tantos desempregados, a ideia de oferecer esse serviço, não seria bem-vinda?

Publicado originalmente em Mural Interativo do Bibliotecário

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

Viva a nossa língua!


Hoje é o Dia Nacional da Língua Portuguesa, nossa língua, instrumento de comunicação, patrimônio nacional.

Além dos portugueses e brasileiros, muitos africanos e alguns asiáticos conhecem e aprendem a língua portuguesa desde o berço.

Atualmente, o Português é a quinta língua mais falada do planeta.

A comemoração nesta data é uma homenagem ao escritor e político brasileiro, Ruy Barbosa, grande estudioso da nossa língua, que nasceu em 5 de novembro.

Como bibliotecários temos a oportunidade de lidar diariamente com a mediação da leitura, leitura essa que exige a nossa língua para se comunicar, desde a construção dos períodos mais simples, até os mais complexos.

Portanto, de uma forma ou de outra, temos atribuições educativas relativas ao processo da leitura e, por consequência, do desenvolvimento da escrita e do pensamento crítico.

Saber falar a nossa língua, entendendo o outro e se fazendo entender é dever do bibliotecário.

Por vezes, quando não entendemos o outro, comentamos de forma figurada que ele fala outra língua, mas, na verdade, não fomos capazes de entendê-lo.

Bibliotecário, que se presa, fala a mesma língua dos seus usuários.

sábado, 3 de novembro de 2018

Peça viva do Memorial Armando Farias

Em passagem no Campus do Pici da UFC, na Rua Prof. Armando Farias,  rua que homenageia meu pai, visitei a escultura de sua autoria e fiz esses registros fotográficos.

Uma pena não encontrar mais a placa com o nome da rua.

O monumento é parte integrante do Memorial Arquiteto José Armando Farias,  que mantém uma peça em maquete.




Arquitetura é assim, contexto de arte e ciência juntas. Na leitura, ponto, reta, espiral, paralela, vertical, horizontal, vértice, ângulo...

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

Livro, por que não livre?

Na Semana Nacional do Livro e da Biblioteca, no seu último dia, 29, para fazer cumprir o Decreto Federal 84.631/1980, comemora-se o Dia Nacional do Livro.

Livro que hoje assume diversos formatos, mas que na sua essência se mantém fiel as suas origens, levando histórias reais e ficcionais, teorias e alegorias, para gerar conhecimento e deleite de seus leitores.

Um livro fechado, guardado na estante são oportunidades tolhidas, são histórias, leituras, ideias não compartilhadas.

Nesse sentido,  queremos enaltecer o conceito de livro livre,  sem amarras ou controles, para que passem de mão em mão, atingindo o maior número de leitores.


O nosso objetivo maior com tudo isso é promover o gosto pela leitura, ferramenta essencial para nos tornamos cidadãos mais reflexivos e críticos, abrindo espaços para a escrita e para o conhecimento.

domingo, 28 de outubro de 2018

"A União faz a força!"

Não é clichê para "encher linguiça" ou para "boi dormir", é a pura verdade: "a união faz a força".

Os ditos populares têm muita sabedoria.

Hora de unir as partes, nada de separatismo.

Quando temos pensamentos divergentes nos nossos ambientes de trabalhos, nas nossas bibliotecas, promovemos a discussão e chegamos a um denominador comum, que seja o melhor para todos.

Muitos projetos que apresentamos não são aprovados na íntegra, há sempre a contribuição de um ou de outro, por vezes, pensamentos bem contrários, mas que se harmonizam, quando associados a outras correntes.

Quem foi minoria na discussão, voto vencido, fica na espreita, de prontidão, aguardando oportunidade para retomar a questão e procurar dar novo direcionamento, visando o bem comum.

É assim que funciona, é assim o caminho da boa civilidade e cidadania.

"Vamos em frente, que atrás vem gente!"

Somos todos Brasil!


sábado, 27 de outubro de 2018

Encontro de Arquivos Públicos e Privados



Evento muito importante ocorreu nos dias 25 e 26/10, promovido pela Arquivece, em que participei, juntamente com dois colegas de trabalho,  na condição de bibliotecária, analista de projetos de arquivos da Mrh, que inclusive, foi uma das patrocinadoras.



Momento para reflexão e discussão, que perpassou pelo questão da memória, na abertura por Márcio Porto, diretor do Arquivo Público do Ceará, pelos arquivos pessoais, com a palestra da Elisabete Ribas “O Lugar dos Arquivos Pessoais: o caso do Instituto de Estudos Brasileiros da USP”, e pelas Políticas Públicas Arquivísticas”, com o professor Vitor Fonseca.


 

Márcio Porto destacou,  dentre outras falas, que "a memória é o porto de partida" e que "o arquivo organizado e indexado é a garantia do acesso".

Bete Ribas fez uma palestra descontraída cheia de  vivências e experiências, compartilhando tudo que sabe, dando dicas e relatando casos reais. Comentou sobre o realce de certos autores ao  resgate de histórias individuais, "adentrar no mais privado das pessoas", dando importância aos agentes comuns, figurantes da história, o que chamou de micro história.

O Prof. Vitor Fonseca foi relutante na questão das políticas públicas, afirmando que a legislação é parte integrante, mas que vão muito além disso. Apontou os problemas a serem solucionados para melhorar as políticas públicas Arquivísticas no Brasil.

Depois de toda essa maravilha, ainda fomos premiados com a mesa redonda de depoimentos de arquivos públicos e privados, em destaque a fala do Dr. Lúcio Alcântara, que deixou o convite para visitarmos a Fundação Waldemar Alcântara. 

Dois dias intensos de informação para geração de conhecimento.



Iguana, nada igual, ainda

Outro dia, aliás já faz mais de três anos, postei Mitos e ritos, lendas e parlendas. Para quem entendeu, viu que se cumpriu aquilo que era melhor.

Hoje, para representar o nosso contexto, uso outra simbologia, esse pequeno animal, insignificante para muitos, mas, exuberante, para quem tem olhos mais abertos e mentes não doentias.


Ele apareceu aqui, chegou de mansinho no chão, atravessou a minha alameda de uma lado para outro, olhou para ambos os lados e foi subindo, subindo, chegando ao topo da árvore.

Ele é verde, é esperança, se arrasta devagarinho, mas também sabe aumentar a velocidade e até dá saltos, quando precisa.

É um animal que pode mudar de cor, não para tirar vantagem em relação a outras espécies, mas para se defender dos predadores ou até se adaptar ao ambiente.

Durante essa mutação, consegue apenas cores secundárias,  porque a sua cor original é o verde, jamais adota o vermelho.

E ele vai de árvore em árvore, conseguindo aos poucos sua alimentação e mais e mais admiradores (inclusive eu), sem destruir nada nem ninguém.

Um pequeno ser, um grande ser, que se projeta e aparece, ganhando a simpatia de todos, tendo tudo para ser.

Essa é a leitura.


Qualquer semelhança não é mera coincidência.

quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Arquivista, ele é o cara!

Arquivo é isso, arquiva-se e desarquiva-se, no sentido literal da palavra. Os documentos estão lá, organizados e indexados, prontos para recuperar a informação desejada. Em um passe de mágica, ops! E lá está a informação. Um trabalho ímpar e singular do arquivista, que muitas vezes não aparece, mas é primoroso e primordial.



Passe de mágica em sentido figurado, afinal, tem todo um trabalho de formiguinha, tanto intelectual como físico, um trabalho a quatro mãos, ou a dez, vinte, trinta, dependendo do volume e do contexto arquivístico.

Sempre a serviço da sociedade, seja no âmbito público ou privado, seja nas questões administrativas, fiscais, legais, históricas ou científicas, os arquivos e os arquivistas é o elo entre o passado, visitando o presente, e resguardando o futuro.

A trajetória dos arquivos acessíveis culmina na memória e na história. Glória do arquivista, vitória para a sociedade.

sábado, 6 de outubro de 2018

Leitor eleitor

Eleitor que é leitor sabe onde buscar a informação, conhece se ela é verídica e desconsidera fake news.

Leitor que é eleitor não pensa duas vezes, escolhe bem o seu candidato, comparando com seus concorrentes, para tirar conclusões pertinentes e coerentes.

Eleição combina com informação!






domingo, 30 de setembro de 2018

sábado, 15 de setembro de 2018

Tenho clientes, que bom!

Todo mundo é cliente de alguém e tem alguém como cliente. Sempre recebemos de alguém e passamos para alguém, seja na empresa que trabalhamos, reforçando a ideia de cliente e fornecedor interno, seja no mercado, comprando e vendendo.

No Dia do Cliente, vale o aviso de estarmos sempre abertos para atendermos bem ao nosso cliente, pois sem ele as portas podem se fechar.


Eu tenho clientes, que bom! 

domingo, 9 de setembro de 2018

Ler é tudo isso e muito mais...

Book Lovers novamente presente nos shoppings de Fortaleza, trazendo novidades de leitura a preços bem acessíveis. 

 

 

  

sexta-feira, 7 de setembro de 2018

De volta às escavações

... E o fogo chegou, quase tudo do Museu Nacional queimou, agora só nos resta voltar às escavações.


(Reuters/R.Moraes)


Escavar para resgatar aquilo que um dia já foi encontrado, devidamente catalogado e colocado à exposição. Desta vez em meio aos escombros do que restou depois do incêndio, em busca do que pode ser resistido ao fogo, dentro de mais de 20 milhões de itens.


Anos e anos de história, de cultura, de pesquisa foram ao chão, perdas irreparáveis, irrecuperáveis, talvez se salve alguma coisa, mas sempre haverá o sentido de perda total.

Local onde as "logias" de A a Z (AntropologiaArqueologia, Biologia, Etnologia, Geologia, Mineralogia, Paleontologia, Petrologia e Zoologia) habitavam de modo requintado, dialogando com algumas "grafias" (Bibliografia, Etnografia e Geografia). Local onde as ciências e a história se encontravam para provocar o pesquisador, o historiador e todos os cidadãos comuns que um dia já passaram por lá, entrando de um jeito e saindo carregados de maravilhas, indagações, críticas, suposições e tudo mais que pode provocar e articular a mente para fazê-la crescer.
Que as autoridades tenham competência para tocarem o projeto de recuperação daquela que é a mais antiga instituição científica do nosso país. Que a Família Real Portuguesa nos perdoe! Que no próximo 7 de Setembro tenhamos algo positivo em relação ao soerguimento do Museu.


segunda-feira, 30 de julho de 2018

De volta para o presente com o olhar no futuro

Este texto de hoje é destinado aos profissionais da educação, que retornam às aulas depois das férias de julho.

De volta para o presente com olhar no futuro é retornar ao período letivo já sabendo quais atividades serão realizadas ao longo do semestre, ou seja, com tudo pensado e planejado.

Para os professores, coordenadores e orientadores, isso é de praxe, haja vista as reuniões que ocorrem sistematicamente para esse fim.

Para os bibliotecários, nem sempre. Há instituições educacionais que incluem o bibliotecário nessa programação, mas é uma realidade ainda incomum.

Diante disso, é fundamental sensibilizar a direção da instituição sobre essa necessidade, pois muitas atividades podem ser idealizadas em parceria com a biblioteca, com vistas a diversificar o plano de aula. É cabível e oportuno para qualquer tipo de biblioteca.

Recepção dos novatos e veteranos, Dia Nacional da Saúde, Dia Estadual da Lei Maria da Penha, Dia do Estudante, Dia Nacional das Artes, Dia do Economista, Dia do Folclore, Dia do Psicólogo, essas datas são todas em agosto, sem falar no Dia do Professor e na Semana Nacional do Livro e da Biblioteca em outubro.

Tudo isso,  em combinação com os professores, pode ser usado como pano de fundo e motivo para incentivar a leitura, executar atividade diferenciada na biblioteca, organizar seminários com alunos, trazer exposições e palestrantes de fora, etc.

Bibliotecário, se você ainda não pensou em nada, ainda dá tempo, programe-se, discuta com a coordenação, se faça presente no contexto da sua instituição!

Pedagogia e Biblioteconomia é uma parceria que dá certo. Ganham ambos os lados e mais ainda os usuários de sua biblioteca.



Vamos ganhar o presente e trabalhar o futuro!


Publicado originalmente em Mural Interativo do Bibliotecário.

domingo, 29 de julho de 2018

Paraty é para ti, para mim e para todos

Escritos e atividades de várias espécies para todos os gostos. 

Esbanja-se literatura, arte, cultura e, de quebra, toda a história colonial de Paraty, retratada nas ruas de pedras e cantinhos do Município, que outrora já foi caminho da Estrada Real.

Todos focados na construção crítica do pensamento, deixando-o registrado para sempre nos textos literários, ora falados, ora recitados, ora discutidos, ora cravados para a posteridade.

E os livros? Estão espalhados por toda a feira, na Flip 2018.






Imagens capturadas direto da tela Global, em 28/07/18.

segunda-feira, 23 de julho de 2018

In ou Out?

Entrada / saída; dentro / fora; ligado / desligado, desde muito cedo convivemos com essas palavras da língua inglesa nos mais diversos momentos e situações. Qualquer pessoa, mesmo não tendo o domínio do inglês, consegue decifrar esses vocábulos. No entanto, adicionados a outras palavras da língua, já se tornam expressões idiomáticas de difícil compreensão para os leigos, ampliando seus significados.

Como são antônimos, se completam. Afinal, o que seria da entrada se não houvesse uma saída? Ficaríamos presos para sempre. E se não pudéssemos nos desligar por um instante? Estaríamos fadados ao cansaço.

Pois bem, hoje vamos abordar os termos inbound e outbound aplicados ao marketing.


Inbound marketing é uma forma de fazer publicidade usando plataformas online, tais como youtube, blog, podcasts, e-books, newsletters, whitepapers, SEO, adentrando no conceito de marketing de conteúdo, para atrair futuros leads à base de contatos, ou seja, interesses das pessoas, do público alvo, criando um relacionamento duradouro.

É uma estratégia de marketing digital, também chamada de marketing de atração, pois, ao invés de interromper, busca-se atrair, primeiro passo dentro do processo: atrair, converter, vender e, por fim, encantar. Conquistar visitantes, converter em leads, transformá-los em consumidores e, finalmente, fidelizá-los, para que promovam a marca, o produto ou o serviço.

Em tempos de mídias sociais, de tecnologias informacionais, é a febre da atualidade, porque as facilidades são inúmeras.

Mas, e o outbound marketing, do que se trata? Na verdade, é o marketing realizado pelos canais mais tradicionais, outdoor, TV, rádio e até a mala direta e o telemarketing, que antes já foram considerados canais de ponta.

Enquanto o inbound busca uma maneira passiva de conquistar clientes, há empresas que necessitam / preferem prospectá-los ativamente.

Portanto, há espaço para ambos, dependendo do contexto, da empresa e das estratégias de marketing.

A ordem é aditiva e não alternativa: inbound e outbound!




Publicado originalmente em Mural Interativo do Bibliotecário

segunda-feira, 2 de julho de 2018

Se caiu, levante!

Derrota, queda, fracasso, não é fácil lidar com tudo isso, mas também não é impossível. O mundo inteiro assistiu à eliminação da Seleção Brasileira na Copa do Mundo.

Em tempo globalizado, sem fronteiras, com todos plugados full time e o mundo a um clique, as equipes estão mais competitivas, fortes e imprevisíveis (mercado); querem evidenciar o nome do país, ganhar as partidas, e pretendem ser campeãs (missão, objetivo e visão). Para tanto, trabalham suas deficiências e exploram suas potencialidades (pontos fracos e fortes); estão de olho em cada sistema tático do jogo que aconteceu, para conhecer melhor os times e conseguir melhores resultados (oportunidades e ameaças).

... Esse é o traçado para o caminho do planejamento estratégico, necessário e imprescindível na atualidade. Quem não fez o dever de casa, caiu!

Tristeza, desilusão, decepção, mas, nem tudo está perdido, valeu o ocorrido, para tê-lo como aprendizado para a próxima empreitada. A frase tem um fundo um tanto clichê, mas é a verdade usada nos treinamentos motivacionais, bem como a única saída, depois da queda. 

São ciclos que acontecem na vida profissional cheios de altos e baixos. Saber perder e tirar lição e proveito disso é inteligente e oportuno.

Na jornada dos bibliotecários também acontecem essas interferências externas. Quantas vezes tivemos que levantar depois de uma queda? Um projeto que falhou, uma demissão inesperada, alguém que chegou e tomou seu lugar, uma missão que teve de ser abortada... 

Se temos maturidade e controle para rever as questões internas, cuidando de cada uma delas, e capacidade para enxergar e interpretar os fatores externos, a coisa se torna menos difícil. Temos que buscar a causa raiz (os 5 por quês), para reavaliar, agir e melhorar (PDCA).

Vimos que teorias da Administração são colocadas à prova diariamente, elas funcionam, mas temos que saber respeitá-las e aplicás-la corretamente.

Se caiu, levante, e da próxima vez administre melhor cada jogo da vida.


Publicado originalmente em: Mural Interativo do Bibliotecário

domingo, 24 de junho de 2018

Bibliotecando por aí...


Andanças, mudanças e esperanças.
Paradas, estadas e empreitadas.
Idas, visitas e revisitas.
Retornos, contornos e adornos.
Voltas, viravoltas e reviravoltas.
Amizade, simplicidade e cumplicidade.
Vontade, utilidade e proximidade.







São essas rimas que constituem o quadro da rotina profissional do bibliotecário português, Nuno Marçal, que, como ele chama "andanças da bibliomóvel por estradas, terras e gentes de Proença-a-Nova". Tive o prazer de conhecê-lo pessoalmente, juntamente com um grupo seleto de profissionais, na palestra do último dia 22, "Bibliomóvel de Proença-a-Nova: Uma Biblioteca Útil, Próxima e Afectiva!", na UFC, que o Mural Interativo do Bibliotecário proporcionou.






Na oportunidade conhecemos tudo que sai daquele bibliomóvel encantado, conduzido por aquele bibliotecário-ambulante, incumbido e comprometido com o social, material e imaterial: carinho, soluções, livros, revistas e emoções.

Coisas que encantam os olhos e entram na alma. 

sábado, 16 de junho de 2018

Pescaria da leitura

Todo São João tem brincadeira. Na Biblioteca da Faculdade CDL não foi diferente, promovemos a "Pescaria da leitura".

A ação do Projeto Livro leve e solto, envolveu os alunos da Faculdade e funcionários da CDL.

Com o anzol do conhecimento os pescadores fisgaram suas leituras. 

Pescar, levar, ler e compartilhar!