domingo, 3 de julho de 2022

Salve Mário de Andrade!

Direto do LinkedIn, printei hoje essa imagem da Infoco na Biblio, que veio acompanhada do meu comentário. Salve Mário de Andrade!

Palavras mais que verdadeiras, trabalhamos para o uso e o reuso da informação quantas vezes for requisitada, para atender democraticamente, a diversos fins, sobretudo para geração de conhecimento. Na esteira da Biblioteconomia, somos mediadores do processo.


sábado, 18 de junho de 2022

Leitores que vêm, vão e voltam

Quem trabalha em biblioteca se depara com esse fato: leitores vêm, vão e voltam. Que bom! Além dos leitores assíduos, aqueles de carteirinha, que praticamente amanhecem na biblioteca, há aqueles mais sazonais, eles se chegam, usufruem por demanda e partem, mas um dia voltam, tal qual o filho pródigo, se é que podemos chamar assim. E o reencontro da biblioteca com ele é magnífico -- um misto de lembranças e saudosismo com novidades e contentamento.

Mas, o que faz alguém retornar à biblioteca? A resposta seria bem óbvia se não estivéssemos em tempos de internet, smartphones, lives, instagrans e tudo que é virtual, digital e online. É que a ambiência da biblioteca fala mais alto. Convivência com os pares, contato físico com as pessoas e com os livros, troca de leituras, ideias e experiências e o próprio diálogo com o profissional da área, que media, esclarece e conduz. Tudo isso é ímpar e singular, traz calor e amistosidade para a relação leitor-biblioteca-bibliotecário.

Eu mesma já vivi várias dessas experiências, recebendo muitos deles que retornaram à casa, ora revendo antigos objetos de desejo, aqueles livros que foram lidos há tempos, ora buscando novidades, o que vale é esse retorno. No meu papel profissional, tenho mais é que fazer desse ato um recomeço, uma reconquista, a captura de uma ovelha desgarrada.


quinta-feira, 9 de junho de 2022

O Arquivo nosso de cada dia

Falar de arquivo é falar do dia a dia de cada um de nós, o que fizemos, as viagens, as comemorações, os pagamentos, os trabalhos, as conquistas, etc., tudo registrado de alguma forma, em algum suporte, são os arquivos pessoais. Também é falar da vida de cada empresa, de cada instituição, seja ela qual for. Portanto, dia do arquivo é todo dia. Mas em se tratando do Dia Internacional dos Arquivos, temos mais é que comemorar mesmo, fazendo o realce merecido.

Os arquivos, além de estarem carregados de memória e história, o que o senso comum mais conhece, é também o registro do presente, das coisas acontecendo na efervescência do evento, seja ele contábil, de natureza pessoal, financeira, no segmento da saúde e em tantas outras áreas, que vão se interrelacionando umas com as outras por conta do contexto e da organicidade inerentes aos arquivos.

Por intermédio dos arquivos conseguimos informações valiosíssimas, que no presente têm valor administrativo, resolvem as questões desse cunho, mas que também podem assumir valor histórico no futuro. Um comprovante que vale a aposentadoria de alguém, um prontuário que possibilita a cirurgia de um paciente, um contrato que firma um negócio promissor para uma empresa, um imposto pago que livra a empresa de uma autuação e multa, dentre tantas outras situações, cujas soluções estão nos documentos de arquivo. Como vemos, são muitas as ocorrências, além de tantos casos históricos que conhecemos, que só os arquivos conseguem resgatar, tais como Carta de Pero Vaz de CaminhaFalas do tronoAssinatura da Lei ÁureaCarta de abertura dos portos; Planta de Fortaleza.

Portanto, quando alguém falar desse Dia, já sabemos da sua magnitude e da sua importância, tanto pelas razões já mencionadas, como porque todos nós temos o arquivo nosso de cada dia.

sábado, 14 de maio de 2022

L.E.M.A 2022

Em 2022 continua o L.E.M.A, dentro do PDL, Plano de Desenvolvimento de Líderes, do Grupo Mrh. Desta vez, focando a comunicação, afinal, o que fazer sem ela? E o melhor de tudo é que seja efetiva, respeitando os dois lados: emissor e receptor. Mas como obter isso? Usando a Teoria U, que é voltada para o aprofundamento dos níveis de escuta em grupos de aprendizagem, ocorrendo em três níveis distintos:

  • "Mente aberta", para saber ouvir e aceitar;
  • "Coração aberto", para sentir e co-emocionar;
  • "Vontade aberta", para ter disposição com o outro.
Ouvimos, demos depoimentos, fizemos exercícios e vivenciamos experiências sensoriais, tudo em prol da comunicação efetiva.  

Destaco, direto do material da instrutora Nara Telles,o pensamento do renomado Peter Drucker "A coisa mais importante na comunicação é ouvir o que não está sendo dito", simplesmente, sensacional!






domingo, 8 de maio de 2022

Mãe presente

Dia das Mães especial, cheio de doçura, carinho e amor, recebi dos filhos e da mãe maravilhosa que tenho.

Mãe é sol e lua e está sempre presente, são palavras poéticas da minha mãe, que por si só, já é um presente.


 


sábado, 30 de abril de 2022

Um novo título para minha biblioteca: Olhares no mundo das aves

Para fechar o mês de Abril, mês de muitas datas comemorativas alusivas ao livro e aos direitos autorais, apresento o mais recente componente da minha biblioteca, "Olhares no Mundo das Aves", que recebi com dedicatória. 

 

  

 

Ganhei de presente de uma amiga, Valdira Coutinho, quem prefaciou o livro, por sinal, um texto fiel à obra e ao autor, Antônio Távora, seu esposo. Uma obra primorosa em muitos sentidos, composição geral, capa, fotografias e texto, sobretudo de leitura muito agradável, que encanta o leitor. Vou degustá-la devagarinho, apreciando cada imagem e a sua história.

Analisando cada detalhe, tomando primeiramente os aspectos extrínsecos da obra, percebe-se o requinte da publicação - encadernada, capa dura com ilustrações belíssimas, aliás, fotos feitas pelo autor, além de impressa em papel fotografia.

Depois, adentrando nos aspectos intrínsecos, observando cada foto, todas de propriedade do autor, só elas já se teria à parte uma obra imagética riquíssima. 

E por fim, mas não menos importante, já se conectando ao mundo mágico das palavras, sua importância pelo conteúdo informativo, preciso, didático, poético e até lúdico, envolvendo vivências e experiências sensoriais do próprio autor, que são transmitidas facilmente para o leitor. Imagens e cenários belíssimos que encantam, trazendo a história da foto com a riqueza do seu momento. Dá para sentir a plumagem das aves, as falas da natureza, além de experiências sinestésicas em relação aos outros sentidos, quando sons, cheiros, gostos se misturam na natureza.

Além de tudo isso, ainda tive o prazer de elaborar a ficha catalográfica e incluir dados e informações sobre a edição da obra. 

Parabéns, Antônio Távora!

quinta-feira, 21 de abril de 2022

Dado: o começo de tudo

Um certo dado juntou-se a um certo atributo, que se juntou a outro e mais outro, foi estruturado, contextualizado e gerou informação. Esta, por sua vez, depois de trabalhada, de receber valor agregado, de ser internalizada pelo indivíduo, gerou conhecimento.

E falar de conhecimento é, sobretudo, falar de evolução, porque uma vez compartilhado pode gerar mais conhecimento e assim cada um evolui, contribuindo para que a sociedade também evolua.

A tríade já é conhecida de todos: dado | informação | conhecimento, mas, como reconhecer se ainda é dado, se já é informação ou se já gerou conhecimento? Como visualizar essa trajetória?

De uma forma bem lúdica, extraída do senso comum, eis a explicação:

  • Tomate = dado
  • Tomate é fruto do tomateiro = informação 
  • Tomate é fruta = conhecimento

Mas se o dado por si só nada transmite porque é primário, porque é o menor nível de abstração contido na informação, como nascem os dados? De onde se capturam esses dados para que sejam estruturados e possam gerar informação e conhecimento?

Daí aparece no cenário o evento, aliás, ele já existe antes de o dado ser capturado, ele é fonte inesgotável para garimpagem dos dados. Em cada novo evento, uma infinidade de dados estão à disposição para serem capturados e trabalhados. Esse evento pode ser um cadastro, uma rotina, um banco de dados, um procedimento, uma comemoração, um filme ou até uma feira, em que há muitos tomates à venda, ou seja, qualquer acontecimento.

E o que vem depois do conhecimento?

Dando continuidade à analogia:
  • Tomate é fruta, mas não se coloca em salada de frutas = sabedoria
Portanto, vamos dar a devida atenção aos eventos, é de lá que extraímos o que precisamos para dar seguimento ao que nos interessa.

domingo, 3 de abril de 2022

"Não passe pano"

A ideia de usar panos de prato como veículo para divulgar máximas da Biblioteconomia, incluindo dito popular "Não passe pano" foi da Fábíola Bezerra, mas as frases são minhas. 

  • Não à discriminação! Passe o pano se rolar na biblioteca!
  • Vamos mediar a informação sem passar o pano.
  • Biblioteca e ciência caminham juntas, vamos passar o pano para quem pensa o contrário.
  • Na Biblioteconomia, não se passa o pano para a informação.
  • É fake News? Passe o pano!
  • Passar o pano na necessidade do usuário é fugir ao preceito biblioteconômico.
  • Negar informação é passar o pano para o conhecimento.
  • E-book veio pra ficar, mas passe o pano se é pirata.
  • Não passe o pano para aqueles que desprestigiam a biblioteca.
  • Na hora do processamento técnico não passe o pano nas palavras-chave essenciais.
  • Bibliotecário é agente transformador, não deixe que passem o pano nessa função.
  • Quem é notável tem que ser citado, não permita que passem o pano na ideia de alguém.

Dentre tantas, recebi essas três como presente, registradas em panos de prato, que chegaram para embelezar a minha copa / cozinha.

Negar informação é passar pano para o conhecimento.

Não passe o pano para quem rouba livros em biblioteca.

Quem é notável tem que ser citado, 
não permita que passem o pano na ideia de alguém.

sábado, 19 de março de 2022

Artesanato biblioteca

Fiquei encantada com a peça da artesã Maria Rozilandia Bezerra de Moraes, exposta na CeArt Central de Artesanato do Ceará.


Um adorno de parede com um motivo pra lá de convidativo, um luxo, uma belezura. Bibliotecas são sempre bem-vindas, sejam de qualquer forma, estejam em qualquer contexto. O importante é a leitura de sua essência.

A CeaArt fica na Praça Luiza Távora, local aprazível em que crianças brincam, andam de bicicleta, adultos passeiam com seus pets, jovens andam de patinete e skate e todos se deliciam com pipoca.


 A loja fica bem centralizada na Praça, e atende pela internet, lojaceart. Vamos comprar? Vamos valorizar o artesanato local?

quarta-feira, 16 de março de 2022

Visita à Livraria e Cafeteria Senac

Estive ontem conhecendo a Livraria e Cafeteria Senac, a serviço da Faculdade CDL, para receber os livros que compramos da disciplina do Curso de Gestão de Recursos Humanos. 

Um espaço muito aprazível para leitura e encontro amigo regado a um delicioso café.


Aproveitei e fiz boa compras para euzinha, "Comunicação escrita", de Raquel Bahiense, Editora Senac, e "Notas para uma definição do leitor ideal", de Alberto Manguel, Edições Sesc, e ainda ganhei uma a sacola Senac de brinde, sendo atendida com a delicadeza da bibliotecária Luana Ferreira.



terça-feira, 15 de março de 2022

Poesia e História

Para ressaltar o Dia Nacional da Poesia, comemorado em 14 de março,  o historiador Armando Farias descreve, poeticamente, trechos relevantes da história, iniciando pela Deusa Clio, fechando com os ilustres do Ceará. 

Veja o passeio que ele dá na história. São fatos contados com arte ou a arte dos fatos? É a poesia da história ou a história em poesia?

Confira na postagem de Capitania Siará Grande.

sábado, 12 de março de 2022

Sedento de informação é perfil de bibliotecário

Um mimo personalizado mais que especial para comemorar o Dia do Bibliotecário em grande estilo. Uma ação de "Valorizando Pessoas", do Grupo Mrh.

Somos sedentos de informação porque queremos disponibilizá-la para o nosso usuário. Essa a premissa do ser bibliotecário, só que antes de tudo, há todo um trabalho, esforço e estudo para se chegar a esse resultado final. A mediação faz parte do processo, é fundamental para entender de qual informação o usuário necessita.

Para Pinheiro (1982, p. 6), "o papel do usuário é determinante da necessidade de informação [...] A noção que o usuário tem de sua habilidade para usos de fontes de informação é, muitas vezes, imperfeita; a comunicação entre pessoas é um dos meios mais importantes para transmitir a informação [...]". 

Como vimos, o papel do bibliotecário é fundamental para solucionar essa necessidade.

Continuemos sedentos de informação, para matar a sede de informação de todos.

PINHEIRO, Lena Vânia Ribeiro. Usuários: o contexto da Ciência e tecnologia. Rio de Janeiro: LTC : IBICT, 1982.

terça-feira, 8 de março de 2022

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2022

Doação de livros: doação de oportunidades

Quem já não teve a estante de casa cheia de livros e de mão na cabeça ficou sem saber onde caberia mais um? Creio que muitos de  nós que têm essa chance de poder comprar livros, quantos deles necessitam. Mas, e aqueles que precisam mas não têm recursos para adquiri-los? É aí que entra uma das ações mais solidárias de cidadania, inclusão e democracia, a doação de livros.

Doar livros vai além da ação em si de entregar na mão de outra pessoa um objeto seu que está disponível. Ela transcende isso, porque junto com o objeto vão oportunidades. Oportunidades de conhecer algo desconhecido, de ampliar o vocabulário, de estudar para uma prova ou concurso, de encontrar ali, nas páginas manuseadas, o deleite de uma viagem nunca antes realizada e tantas outras, cujas descobertas é de cada pessoa.

A data nasceu em 2012 com Amy Broadmoore e seu filho, através da Delightful Children's Books, eles criam e organizam o primeiro Dia Internacional de Doação de Livros com a ajuda de Zoe Toft.



A data já é comemorada em muitos países. E você, já doou livros? Já pensou naquela criança que não tem acesso a eles? O dia é hoje, mas a ação pode se espalhar e acontecer sempre.

sábado, 12 de fevereiro de 2022

Gestão do conhecimento: por onde começar

Para começar um programa de gestão do conhecimento é importante, primeiramente, buscar na empresa o que já é feito nesse sentido sem se saber que está sendo feito. Há muitas ações que já podem estar acontecendo, dando resultado e isso não está sendo levado em conta, para que surta efeitos positivos de forma cíclica, sedimentada e duradoura.

Após esse resgate, é necessário mapear tudo que foi descoberto, trazendo para um plano de trabalho. Sugiro utilizar o modelo 5W2h, associado e com base em duas ferramentas específicas: o modelo SECI, de Nonaka e Takeuchi (1997), e os níveis de comunicação, definidos por Valetim (2006). Dessa forma, consegue-se enxergar onde estão as lacunas, partindo-se, então, para a definição de ações que possam preenchê-las.

Ilustração adaptada do modelo SECI, de Nonaka e Takeuchi (1997)

Daí entram outras ferramentas de GC, tais como braismtorning, reuniões, storytelling, podcast, redes colaborativas, benchmarking, etc. Tudo isso pode ser usado para registrar o que ainda é tácito para que passe ao status de explícito, sempre de olho nos níveis de comunicação: distribuição, disseminação e transferência.

Adaptado de Valetim (2006)

Com esse processo, novos conhecimentos tácitos são compartilhados e sedimentados, trazendo, portanto, evolução para a organização e para os indivíduos que nela operam. 

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Elsevier, 1997.
VALENTIM, M. L. P. Processo de inteligência competitiva organizacional. In: ______ (Org.). Informação, conhecimento e inteligência organizacional. 2. ed. Marília: FUNDEPE, 2006.

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2022

Pesquisa científica retratada em filme

Você que assistiu O Céu de Outubro pode ter percebido quão similar a trama é em relação ao desenvolvimento da  pesquisa cientifica. Se não percebeu, a oportunidade é agora, porque vou trazer cada passo da pesquisa, com a sua representação correspondendo a um trecho do filme. E se você não viu e ama o assunto pesquisa científica, veja o filme.

O filme é baseado em fatos reais e se passa no fim dos anos 50, em plena guerra fria. Um jovem do interior dos Estados Unidos, não querendo seguir o mesmo destino dos homens da cidade, todos mineradores, resolve lutar pelos seus sonhos, enfrentando total reprovação do seu pai. O jovem passa a ter interesse pela corrida espacial quando toma conhecimento do Sputnik, colocado em órbita pelos russos.

Ficha técnica do filme
  • Escrito por: Homer Hickam, representado pelo ator Jake Gyllenhaal.
  • Data de lançamento: 15 de outubro de 1999 (Brasil)
  • Diretor: Joe Johnston
  • Adaptação de: Rocket Boys
  • Roteiro Lewis Colick
  • Titulo no Brasil: O Céu de Outubro
  • Título original October Sky
  • Elenco: Jake Gyllenhaal, Chris Cooper, Laura Dern
Vamos às etapas da pesquisa científica ilustradas pelo filme.

  • O despertar com a curiosidade e a motivação para conhecer algo novo, a ciência, o espaço, como e porque o foguete decola (temática e problemática);
  • A necessidade de investigar, de chegar o mais próximo possível desse desconhecido (investigação, fundamentação teórica, estado da arte, construção de um modelo a partir de uma hipótese);
  • As dificuldades encontradas pelo caminho: atritos em família, falta de recursos, falta de apoio (o trajeto a percorrer); a superação das dificuldades (a insistência peculiar da ciência); o apoio incondicional de alguém (o mentor orientador com sua bagagem);
  • O teste falho (a testagem da hipótese);
  • A insistência com novas pesquisas (o refutamento, o falseamento de Popper até que a hipótese seja confirmada);
  • O resultado positivo (a conclusão, o avanço da ciência).
É um bom filme para distração, é um bom filme para reflexão. Assista!

domingo, 16 de janeiro de 2022

Vacinação: fascinação ou vacilação?

A questão que está em voga em meio ao caos da saúde é a vacinação. Vacinar ou não vacinar? Eis a questão.

E aí eu pergunto: fascinação ou vacilação? E aí eu respondo: ponderação, conscientização.

São dois pontos de vista, dois extremos, os extremos sempre são perigosos. 


domingo, 9 de janeiro de 2022

Ano XIII de Leitura e contexto

2021 foi um ano pandêmico por completo, mas mesmo assim continuamos fazendo o que tem que ser feito e não foi diferente em Leitura e contexto, a produção continuou ininterruptamente, mês a mês, concluindo mais um período.

Alterei o logo de Leitura e contexto para dar entrada no Ano XIII. Que venham mais anos!



sábado, 8 de janeiro de 2022

19 anos de Mrh Arquivos

Somando tudo, os anos de consultoria, de prestação de serviços e de CLT, já se vão 19 anos. Uma vida! E se assim for o que tem que ser, que venham mais anos.

Foi uma recepção e tanto para o ano que se inicia.

 


Paz com estrelinhas

Estrelinhas, elas são daninhas, mas não no meu contexto, a leitura que faço é que embelezam e trazem paz. Nessa primeira semana de Ano Novo brilham no meu jardim.