domingo, 19 de novembro de 2017

Realidade presente em contexto futurista

Design arrojado, com degraus em formato de ondas, dotados de livros e uma esfera luminosa no centro do prédio, são as novidades da nova biblioteca pública na cidade de Tianjin, no Nordeste da China. Outros prédios compõem um centro cultural, totalizando em torno de 34 mil metros quadrados, podendo abrigar um acervo de 1,2 milhão de livros.

Engana-se quem pensou na obsolescência e falência desse equipamento e de seus instrumentos. Bibliotecas e livros habitarão ainda o planeta por décadas e séculos.



 





BIBLIOTECA DE TIANJIN (FOTOs: OSSIP VAN DUIVENBODE/ MVRDV)

sábado, 18 de novembro de 2017

O horizonte é bem ali, mas a excelência está mais além

Sentimento de dever cumprido no final da jornada de trabalho é o que todos deveriam tentar conquistar. Encerrar o expediente com satisfação, tendo a certeza de que fez o melhor e que amanhã vai se esforçar para superar a si mesmo. É o tal algo mais, tão requerido pelos líderes das organizações.


Isso foi algo que escrevi na quinta-feira, é o meu pensamento, mas foi também o que ouvi na palestra de Frederico Steiner, na Mrh, que ocorreu na última sexta-feira(17/11), intitulada "O Desafio da excelência: métodos e atitudes que levam você ao melhor desempenho profissional".

O palestrante falou em visualizar o horizonte aonde se quer chegar, mas, em relação a horizonte, sabemos que ele representa o que a vista alcança, uma vez chegando lá, já se tem outro horizonte e assim busca-se a excelência, algo que sempre requer mais e mais de nós mesmos.

 

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Criatividade: criando e ativando sempre

Com 15 anos participei de um curso sobre criatividade: "Criatividade através da arte", na Escolinha de Arte do Recife. Naquela época eu estava em plena adolescência, em se tratando de faixa etária, mas, já era consciente da responsabilidade de representar a Escolinha O Cogumelo: maternal e jardim.

Em meio a pessoas mais experientes, perplexa frente às participações em depoimentos, fiquei a observar tudo, tentando entender aquela teoria, acompanhada de muita intuição e atitude.

De lá para cá já se vão mais de 40 anos, diversas são as abordagens, as teorias e as aplicações e muitas foram as oportunidades para criar e recriar, primeiro, na própria Escolinha O Cogumelo, ao lado da minha mãe, quem dirigia a Escola, depois, na faculdade e, mais adiante, na profissão, pelos espaços por onde passei.

Hoje, comemora-se o Dia da Criatividade, alguém muito criativo criou este dia, não se sabe o porquê de ser esta data, mas está valendo, todos os anos há essa comemoração.

E, de certa forma, inspirada nele, tomei por empréstimo o livro Jamming: a arte da disciplina da criatividade nos negócios, de John Kao, em que ele usa um jargão do jazz para chamar a atenção com criatividade para a questão: 
"Quando uma empresa caminha na corda bamba entre o rigor analítico e a paixão inspirada, quando deixa para trás as partituras e experimenta novos horizontes, isso é jamming. O jazz tem muito a nos ensinar sobre improvisação." (KAO, 1997, p. 34)

A edição é de 1997, mas continua atualíssima. Estou lendo e apreciando.


"A criatividade abrange o paradoxo de precisarmos manter a comunicação aberta e livre de julgamentos sem abrirmos mão da necessidade definitiva de resultados mensuráveis. Nesse sentido, ela é como um compasso de dois tempos: puxa-se e empurra-se; dá-se um passo para frente, outro para trás; mantêm-se uma atmosfera de abertura e julga-se, sempre com sensibilidade ao fluxo contínuo do processo." (KAO, 1997, p. 89)

KAO, John. Jamming: a arte e a disciplina da criatividade na empresa. Rio de Janeiro: Campus, 1997. 

sábado, 11 de novembro de 2017

Extra, extra! Livro leve e solto foi notícia!

O Projeto Livro leve e solto, da Faculdade CDL, foi notícia no Vida&arte de o Jornal O Povo, do último dia 06/11, juntamente com outras iniciativas do gênero. 

Vamos soltar livros! Livros livres, sem amarras! 


domingo, 29 de outubro de 2017

Mostrando o caminho das pedras

Todo início é sempre difícil, mas, depois, os caminhos vão se abrindo e as coisas se tornando mais fáceis, principalmente quando se tem o aporte adequado para o desenvolvimento e melhora de performance.

Não é diferente na iniciação científica, por isso a ação de apresentar aos alunos o "caminho das pedras", de forma que possam se desenvolver e evoluir na atividade.

Mais uma missão cumprida na Faculdade CDL, por intermédio da Biblioteca, a pedido da Professa Carla Michele, da disciplina de Metodologia Científica.







Dia Nacional do Livro: "Livro leve e solto"

Neste Dia Nacional do Livro, ressalto o Projeto Livre leve e solto, da Faculdade CDL. 

Espaço para pegar e soltar livros, sem controle, sem amarras, sem cobranças, apenas a vontade de ler.

Gostando e querendo compartilhar a leitura, é só passar o livro adiante ou devolver e pegar outro. É a forma mais democrática para ler e fazer acontecer.

domingo, 22 de outubro de 2017

De tanto empreender fui empreendida!

Iniciei essa jornada no final dos anos 90, com a minha saída do Banco do Estado do Ceará S.A - BEC, quando decidi ser empresária, em função da oportunidade que surgiu na época, oferecida pelo IAV - Incentivo de Afastamento Voluntário, uma versão becista para o famoso PDV - Plano de Demissão Volunária.

Foram muitos e bem significativos os empreendimentos que se iniciaram no período de 1997 a 2008. Trabalhos, prestação de serviços, treinamentos, consultorias junto à instituições públicas, empresas e grupos de empresas de renome no cenário regional.

Toda essa experiência, que teve como base a minha gestão junto à Biblioteca Geral do BEC, de 1987 a 1997, levou-me a outro caminho a partir de 2008, tão desafiador quanto o do empreendedorismo. É que de tanto empreender fui empreendida! Mas, qual mensagem quero passar com essa frase que intitula essa postagem?



Quero dizer que o empreendedorismo que deu tão certo encantou dois dos meus clientes, enquanto eu executava os serviços a que me propus a fazer para ambos. De um lado 30.000 caixas de arquivo, correspondendo, mais ou menos ao acervo de umas 10 empresas (hoje são mais de 600.000 caixas e quase 200 clientes) e, de outro, uma biblioteca que estava nascendo, pronta para atuar em uma IES, que já nasceu com uma história de quase 50 anos.

Muita responsabilidade! E a pergunta de um deles com a minha resposta imediata e inconteste:
__ Vai encarar?
__ Sim, vou encarar! 

E até hoje estou cumprindo essa missão de atuar em duas frentes de trabalho, em um período, junto a uma empresa de gestão documental e guarda terceirizada de arquivos, como analista de projetos de arquivo, e no outro, como bibliotecária, gestora na biblioteca de uma IES.

E essa tomada de decisão de voltar a ser empregada não limita nem diminui o empreendedorismo, pelo contrário, o aporte de duas empresas vencedoras e de uma bagagem acumulada de muitos anos de experiências, possibilitam o intraempreededorismo.

sábado, 21 de outubro de 2017

Com Annita Moura, na Faculdade CDL

Divulgando, disseminando, incentivando livros e leituras. Corrente do bem: Livro livre, por Annita Moura, inspirando Livro leve e solto, na Faculdade CDL. Porque livro e leitura nunca é demais!







sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Revisitando a Arquivística no Dia do Arquivista

Uma gincana de conhecimentos, habilidades e atitudes, usados com estratégia, foi essa a nossa forma de comemorar o Dia do Arquivista.

Parabéns à equipe e todos que fazem dessa atividade a sua razão profissional.







domingo, 15 de outubro de 2017

Professor: pedagogia e andragogia lado a lado

Professor, 

De adulto, jovem ou criança,
É futuro, é esperança,
Para um Brasil que se cansa,
Por conta da falta de governança.
O Brasil, que busca bonança,
Tem a segurança,
De que só com educação se avança.
Tem a confiança,
No professor e na sua aliança,
Com um Brasil de mudança.


quinta-feira, 12 de outubro de 2017

sábado, 7 de outubro de 2017

Bordões, chavões e jargões

Na comunicação oral e escrita tropeçamos no dia a dia com alguns vícios de linguagem, os quais, muitas vezes, comentemos de forma despercebida, em outras vezes, seguindo um modelo pré-estabelecido ou algo já muito presente no contexto, que não conseguimos nos desvencilhar. 

Segundo os autores que selecionei, são esses os conceitos desses vícios: bordão, chavão, e jargão, para os quais, depois de fazer a diferença entre eles, pois, às vezes, podem ser confundidos, serão exemplificados tomando a Biblioteconomia como contexto

Bordão é uma "Palavra ou locução sem função morfossintática que se repete geralmente de forma inconsciente ou automática, enquanto se fala ou escreve." (AURÉLIO, 2008-2015, online) 

É uma expressão que já se popularizou, porque está associada sempre a alguém, que, em determinadas situações, utiliza em suas falas, como forma de se fazer conhecido, de criar um vínculo entre o comunicador e o seu ouvinte. 

Vários personagens, artistas, políticos, personalidades, autores, criam seus próprios bordões para caracterizar suas atitudes, seus pensamentos, de forma que os torne populares e possam passar a mensagem desejada. Na maioria das vezes esses bordões se instalam na memória das pessoas e são constantemente relembrados. 

Chavão é "um vício de estilo já incorporado como linguagem do texto empresarial" (GOLD, 2010, p. 21). A autora comenta que são expressões antiquadas, redundantes, que fazem o texto perder a eficácia, porque falha no efeito de prender a atenção do leitor, além de alguns conterem erros gramaticais ou semânticos. 

Medeiros (2009) também condena o chavão, para ele, são expressões antiquadas, um vício de estilo já incorporado nas empresas, que não traz eficácia ao texto e deve ser combatido. 

Chavões ou clichês, também surgem no nosso cotidiano de forma quase imperceptível. São frases feitas, por isso, a quem ache mais fácil escrever usando um deles, porque facilita a compreensão do leitor, uma vez que ele já está familiarizado, em função das repetições ao longo do tempo, nos diversos meios.Jargão é a "maneira característica e específica de um determinado grupo de se comunicar (GOLD, 2010, p. 25). 

Jargão
Significa uma linguagem pouco compreensível, em muitos casos por ser específica de determinado grupo profissional ou sociocultural. Usá-lo de forma indiscriminada para qualquer público pode comprometer a compreensão do texto, da mensagem. Gold (2010) reforça que a linguagem técnica e os jargões devem ser utilizados apenas no meio específico, em situações que os exijam, porque todos têm a familiaridade. O excesso de linguagem técnica é um desrespeito ao receptor (MEDEIROS, 2009).


Sempre são utilizados por um grupo de especialistas, de profissionais ou sociocultural, por muitas vezes, incompreensível para quem não faz parte desse mesmo grupo. São as famosas "gírias" especificas de grupos de um mesmo meio: bibliotecários, professores, advogados, veterinários, médicos, militares, agentes prisionais, etc. e de uso limitado a estes grupos. 



Depois da leitura dos conceitos, vejamos como essas expressões são utilizadas dentro do contexto da Biblioteconomia: 



Bordão
  • Ler é uma atitude inteligente 
  • Biblioteca é lugar de silêncio 
  • Informação é poder 
  • Informação certa, na hora certa, para a pessoa certa 

Chavão
  • A Biblioteca é um organismo vivo 
  • Informação para a tomada de decisão 
  • Explosão bibliográfica pós-guerra 
  • Uso de novas tecnologias 

Jargão
  • Literatura cinzenta 
  • Processamento técnico 
  • Tombamento de livros 
  • Sociedade da informação 
  • Disseminação seletiva da informação 
  • Fazer uma remissiva 
  • Entrada de autor





AURÉLIO. Dicionário do Aurélio online. Disponível em: . Acesso em: 16 maio 2015.

GOLD, Miriam. Redação empresarial: escrevendo com sucesso na era da globalização. 4. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010. 287 p

MEDEIROS, João Bosco. Redação empresarial. 6. ed. São Paulo: Atlas, único. 2009. 251 p.

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Os livros estão sempre por trás II

Nova leva de renomados em flagrantes televisivos com cenários de livros.

Os livros estão sempre por trás ou o correto seria os livros estão sempre à frente?

Nova leitura para esse contexto.


Mohsen Eslami,
Professora da Universidade Tarbiat Modares



Fernando Zilveti,
Mestre em Direito Constitucional e Doutor em Direito Tributário



Hélio Zylberstajn,
Professor Economista da USP



Fernando Castelo Branco, 
Advogado e Professor de Processo Penal da PUC SP



Almir Pazzianotto Pinto,
Jurista especialista em relações de trabalho



José Pastore,
Sociólogo, Professor da FEA-USP, Presidente do Conslho de Emprego e Relações do Trabalho da Fecomércio-SP e Membro da Academia Paulista de Letras