domingo, 4 de setembro de 2016

Liberdade pela leitura

Incrível esse resgate histórico, e até de certa forma épico, retratado por Mário Sérgio Lorenzetto em Campo Grande News em Pauta, que eu não podia deixar de compartilhar aqui nesse espaço de leitura e contexto.

O livro foi para a mulher do passado distante a possibilidade de liberdade, mas, continua a libertar cada um de nós, quando fazemos a leitura de algum texto, seja ele contido ainda nesse maravilhoso e tradicional instrumento ou, já no contexto atual, nas peças digitais do ciberespaço.

Hoje mesmo já conheci mais profundamente a história de Hipácia (ou Hipátia) e viajei até Alexandria, sem sair do lugar.




25/08/2016 07:05




Quando a mulher era proibida de ler livros

Mário Sérgio Lorenzetto



Em uma tarde de março de 415 d.C. uma mulher de 60 anos é tirada de sua carruagem por uma multidão enfurecida, em Alexandria, no Egito. Em seguida, é despida e tem sua pele e carne arrancadas com ostras (ou fragmentos de cerâmica, segundo outra versão). É destroçada viva pela turba alucinada. Já morta, arrancam seus braços e pernas. O cadáver é queimado em uma pira nos arredores da cidade. Era o fim da trajetória impressionante de Hipácia de Alexandria. Hipácia foi a primeira mulher de fama internacional no mundo da matemática, astronomia e da botânica. Hipácia foi a primeira intelectual de renome e imensa influencia. "As mulheres que leem são perigosas", assim pensavam, e agiam, os homens por dezenas de séculos.

Somente no século XIX o livro se tornou comum para as mulheres. Foi, e continua sendo, sua maior arma para a conquista da liberdade, sua possibilidade de existência, de se lançar em novos horizontes.

Entre a mulher e o livro estabeleceu-se uma aliança. Com ele, ela podia desejar e imaginar um mundo para si própria. Gesto um tanto ousado - e perigoso. Daí os homens desejarem impedi-la de ler ou controlar o que liam. Até o século XIX, os homens marginalizavam as mulheres que liam, rotulando-as de neuróticas e histéricas. Sobretudo as mulheres que liam "demais". A leitura permitiu que tomassem consciência do mundo. A leitura, esse ato tão intimo, tão secreto, terminou por colocar a mulher para fora. Fora do núcleo familiar opressor. O vazio do mundo real foi tomado pela ficção.

Para quem vivia, e vive, na prisão do casamento sem amor, das regras sociais sufocantes, a leitura foi a possibilidade de viver em outro mundo que não o seu e, em seguida, mudar a própria vida. De adquirir prazer que lhe era negado. Um prazer solitário de início. Mas que passou à voz. E, depois um grito... de liberdade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário