quarta-feira, 1 de maio de 2013

Sabores, saberes e samburás


Neste 1º de Maio gostaria de fazer uma nova leitura, de lembrá-lo de forma diferente, não como aquele dia para o qual foi originalmente marcado e criado, essencialmente em alusão ao trabalho duro e exaustivo, em condições precárias, com jornadas longas e até com risco de vida. É claro que os direitos dos trabalhadores devem ser respeitados e isso foi uma grande conquista em relação aos aspectos físicos e remuneratórios. 

Hoje, gostaria de lembrá-lo como algo superior, como complemento de vida, como satisfação. Como se trata de tarefa necessária e obrigatória até para a sobrevivência, que toma mais de um terço da nossa vida, se considerarmos as horas de deslocamento e de pensamento em torno dele, é melhor que o trabalho seja algo prazeroso de ser executado todos os dias.

É difícil se chegar a esse nível quando no contexto faltam oportunidades, reconhecimento, quando o ambiente de trabalho é repressivo e o pensamento é excessivo em torno do capital e do lucro, mas, também é fato, que por muitas vezes o trabalhador executa suas atividades de forma insatisfatória, sem comprometimento, sem responsabilidade, de forma repetida, sem criar algo novo, sem satisfazer a si próprio, e sem contribuir com o outro. Deveria haver um pacto entre as partes, em que o primeiro oferecesse, além do trabalho e da remuneração, condições de desenvolvimento, tempo para reflexão e criação e o segundo, por sua vez, aproveitasse tudo isso, de tal forma que retornasse positivamente para ambos os lados, fazendo com que isso também contagiasse e favorecesse a sociedade. 

No novo contexto de trabalho, carregado de sabores, saberes e samburás, não é necessário estar no topo, mas, ter prazer e satisfação, aproveitar para aprender e ensinar enquanto estiver executando as tarefas e, durante estas, ter prazer em fazê-las, dando seguimento assim a um círculo virtuoso. 





Nesta postagem agarro-me ao pensamento de Domenico De Masi, ao ócio criativo, que ele define como o momento simultâneo de lazer, estudo e trabalho, de onde já extrai conteúdo para postagem anterior. Agora, aproveito para acrescentar a leitura da circularidade que, ao meu ver, é um momento que antevem a sua proposta de simultaneidade.

Qual sabor maior do que estar em uma jangada em alto mar, ganhando saber com a natureza para compartilhar com a comunidade, fisgando o pescado do dia e enchendo o samburá com dignidade?

Utopia?

Cabe aqui uma reflexão sobre a nossa atividade, para termos em um novo contexto, simultaneamente, sabor, saber e samburá e com isso vivermos melhor.


Nenhum comentário:

Postar um comentário