domingo, 15 de novembro de 2015

Proclamação da leitura livre

No contexto de hoje, em que se comemora Proclamação da República no Brasil, que tal pensarmos em outra proclamação? Uma proclamação que libertasse todos de forma igualitária, independente de raça, classe social, sexo, religião, etc., etc., que levasse a todos, educação, informação e conhecimento, de tal maneira, que pudessem ascender para um degrau posterior na vida, sendo mais reflexivo, mais crítico, mais ponderado, mais humano, mais consciente dos direitos e deveres de cidadão, Como seria a proclamação da leitura livre?


Primeiro, teríamos que destituir o reforço negativo, de que brasileiro não gosta de ler, a ignorância, o descaso com o livro, a maneira obrigatória de conduzir alguém à leitura. Depois, precisaríamos instaurar o regime Tudo e todos pela leitura, pondo fim à falta e à limitação da leitura. 

Não será difícil, já temos muitos antecedentes, são dezenas de projetos criativos espalhados pelo Brasil em prol da leitura, está faltando apenas uma atitude de unificação (será o terceiro momento) daquilo que já existe, para traçar uma linha mestra, que conduza tudo e todos à leitura livre. Talvez um regime provisório, em que, além de resgatar tudo isso, pudesse estabelecer estratégias, metas e objetivos e fizesse um acompanhamento inicial.

Depois de sedimentado, partiríamos para o compartilhamento nas escolas, no trabalho, nas comunidades, na sociedade em geral, oferecendo leitura de toda sorte, para que todos pudessem pegar aquela que mais lhe agrada, e continuar sempre lendo, até o projeto se tornar uma febre de leitura, com todos afirmando e confirmando:

__ “A partir de hoje, estou proclamando a minha leitura livre!”



E todos seriam contribuintes, colaboradores e multiplicadores. Novas gestões dariam continuidade a esse grande projeto, de forma livre, democrática e inclusiva, sempre agregando mais e mais, nunca eliminando o que já foi conquistado.

Tudo e todos pela leitura livre!

Nenhum comentário:

Postar um comentário